16.8.11


Gravo, nos dedos, as emoções do passado,
Tentando, no presente, moldar a perfeição no coração.
Mas existiu vida, outra que não a minha.
E a forma irrepreensível desse pequeno bicho fugiu-me.